Psicologia_Personalidade-Freud_Fases Psicossexuais

Publicado: julho 1, 2010 em Psicologia

COMO É MOLDADA A PERSONALIDADE?

 

Segundo Freud a personalidade é moldada:

 

Pelas experiências iniciais das crianças, quando estas passam por uma série de fases psicosexuais. Em cada fase de desenvolvimento, a fonte de satisfação sexual é uma zona diferente do corpo (zona orogénea: boca, ânus, órgãos genitais) ou uma diferente orientação da libido (energia de pulsões sexuais). As pulsões sexuais centram-se, desde o nascimento, nos diversos órgãos do corpo e satisfazem-se de modo diferente, enquanto prossegue o desenvolvimento psicológico. Só no final do desenvolvimento psicossexual se impõe a sexualidade genital com a maturação dos órgãos genitais durante as transformações fisiológicas da puberdade.

 

CONCEITOS IMPORTANTES:

 

  • Psicossexual: significa que a libido (energia de pulsões sexuais) se centra em determinadas regiões do corpo enquanto prossegue o desenvolvimento psicológico.

 

  • Zonas erógenas particularmente sensíveis à estimulação prazerosa: BOCA, ÂNUS, ÓRGÃOS GENITAIS. Consoante a fase do desenvolvimento, predomina uma ou outra zona.

 

As pessoas derivam um prazer particular dessa zona e procuram objectos ou actividades que produzam essas experiências agradáveis.

 

  • Fixação: Se a criança tem satisfação ou frustração em excesso, de uma determinada fase, parte da libido fica permanentemente instalada nesse nível de desenvolvimento, ou seja, pode ficar psicologicamente preso a formas de obtenção de prazer que se centram na boca, nos lábios, língua, etc..

Quando for adulto, o seu comportamento vai caracterizar-se por modos de obter satisfação ou reduzir tensão ou outros traços ou atitudes que são típicos da fase em que ocorre a fixação.

  • Ex: se o bebé foi desmamado muito cedo ou muito tarde no estado oral, pode na fase adulta sentir a necessidade, ou de reduzir, actividades que consistem em obter a satisfação oral, como fumar, consumir pastilhas elásticas.

 

 

Fases Psicossexuais:

 

1) FASE ORAL (0 aos 12/18meses –  1.ano):

 

  • Durante os 1os meses de vida parte da interacção da criança com o mundo processa-se mediante a boca e os lábios. A libido está centrada nesses prazeres orais, daí a importância de actividades que derivam prazer da boca: comer, sugar, morder, etc.

O principal conflito é o desmame podendo criar situações de fixação.

 

 

 

  • Se houver fixação neste fase, quando adulto pode existir:
    • Traços ou Preocupações orais: Dependência, Passividade, Gula, Comer, Mascar (pastilha), Fumar, Falar excessivamente.

 

2) FASE ANAL (dos 12/18 meses aos 3 anos)

 

  • A libido – fonte de prazer – passa a ser na região anal que deriva da estimulação do ânus ao reter ou expelir fezes;
  • O impulso para o prazer (que deriva do aliviar da tensão que se segue à evacuação) colide com as restrições da sociedade, assim a criança terá de aprender a controlar os músculos, pois não pode aliviar-se onde e quando quiser;
  • Assim, nesta fase o principal conflito é o treino da toallet. A criança pode contra-atacar: Evacuando em situações inoportunas ou Retendo as fezes;
  • Se houver fixação nesta fase, quando adulto usa estratégias semelhantes para lidar com as frustrações em geral, caracterizado por teimosia, ataques hostis, egoísmo, avareza, obstinação, mesquinhez, obsessão pela ordem de limpeza, etc..

 

FASE FÁLICA (3 – 5 ANOS)

 

  • A libido – fonte de prazer – passa a ser na região genital, tornando-se o centro da actividade erótica da criança através da auto-estimulação pois apercebe-se e tem curiosidade das diferenças entre os géneros,
  • A criança a partir de uma determinada altura, desenvolve uma forte atracção sexual com o sexo oposto e sentimentos agressividade c/o progenitor do mesmo sexo. Dá-se portanto o complexo de ÉDIPO/ DE ELECTRA

          

COMPLEXO DE ÉDIPO:

 

  • Para Freud, todos os rapazes amam a mãe e dirige as suas fantasias eróticas para ela, pois satisfazem as suas necessidades;
  • Têm o pai como um rival, desejam a sua morte e até fantasiam matá-lo mas têm medo que o pai, sendo maior e mais forte, o “castre” eliminando a fonte do desejo sexual.
  • Assim irá imitar e identificar-se com o pai, fazendo com que este pareça menos ameaçador, partilhando dos seus privilégios sexuais em imaginação.
  • O menino adopta as características da personalidade típica do sexo masculino e o superego do pai.

 

COMPLEXO DE ELECTRA:

  • A filha ama a mãe que satisfaz as suas necessidades.
  • A menina tem “inveja do pénis” pois descobre que não tem um pénis, e deste modo, julga ter sido castrada e culpa a mãe, diminuindo o amor que sente por ela. Temporariamente transfere o seu amor para o pai.
  • Defende que o amor pelo pai e a rivalidade com a mãe se dissipam lentamente com o correr do tempo.
  • Enquanto que a identificação do menino com o pai é forte, a da menina com a mãe é fraca.
  • Por não ter pénis (órgão sexual mais desejável) é que as mulheres desenvolvem características da personalidade como a inveja, inferioridade e deixam de adoptar fortes padrões morais.

 

FASE DE LATÊNCIA (5 – 12 ANOS)

 

  • Aos 5 anos a personalidade está essencialmente formada.
  • Até aos 12 anos as necessidades sexuais permanecem adormecidas (Anmésia infantil) pois a criança nesta fase centra-se com a realidade social e não ao seu corpo.
  • Não ocorrem conflitos nem mudanças importantes.

 

FASE GENITAL (ADOLESCÊNCIA – IDADE ADULTA – ATÉ À SENILIDADE)

 

  • As pessoas participam das actividades da sua cultura.
  • Agora, nesta fase necessita de um relacionamento sexual satisfatório, pois em virturde da maturação do aparelho genital e da produção de hormonas, reactivam-se os impulsos sexuais agressivos.
  • Para Freud um laço heterossexual maduro é a marca da maturidade. Se o indivíduo estiver fixado nas outras fases não o pode atingir.

 

 

ANÁLISE CRÍTICA:

 

  • Muitos psicólogos concordam com Freud, em alguns aspectos da sua teoria.
  • Mas existe grande discordância e crítica a Freud em relação a muitos aspectos.

 

PONTOS DE CONCORDÂNCIA:

1) A infancia é muito importante para o desenvolvimento da personalidade;

2) A pessoas são frequentemente influenciadas por sentimentos e motivos que não são conscientes;

 

PONTOS CRÍTICOS:

1) Freud não deu mt importância às influencias sociais e culturais sobre o desenvolvimento da personalidade;

2) As teorias psicanalíticas ressentem-se em termos de objectividade e precisão pelo facto de se basearem em estudos de caso;

4)Freud elaborou as suas teorias a partir de uma população limitada

3) Substitui a observação por especulações e correlações de causa-efeito;

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s