Psicologia_Teorias Psicodinamicas_T. Psicanalitica de Freud

Publicado: julho 1, 2010 em Psicologia

PRINCIPAIS TEORIAS DA PERSONALIDADE

 

PERSONALIDADE: é 1 organização dinâmica no interior de 1 indivíduo q causa padrões de comportamento pessoais duradouros, tais como: perceber, pensar, sentir, agir, que dão às pessoas identidades diferentes.

 

1. TEORIAS PSICODINÂMICAS – defendem que a personalidade se desenvolve quando os conflitos psicológicos são resolvidos, quase sempre no início da infância.

 

A) TEORIA PSICANALÍTICA DE FREUD

 

Freud apresenta uma perspectiva psicodinâmica de personalidade em que o comportamento humano tem uma base energética ou impulsos do tipo Sexual e Agressivo.

 

CONCEITOS BASE:

Freud distingue 3 regiões do aparelho psíquico:

  • Consciente
  • Pré-Consciente: logo abaixo da percepção de onde são fáceis de recuperar.
  • Inconsciente: É onde se encontra a maioria dos pensamentos, memórias, sentimentos e desejos. É uma parte da personalidade em que a pessoa não se dá conta.

 

 

As teorias freudianas dão importância nos aspectos inconscientes da personalidade.

 

Segundo Freud, a personalidade é composta por: ID, EGO E SUPEREGO. O ID é a base, e a partir deste se formam por diferenciação o EGO e o SUPEREGO

 

Para Freud, a personalidade humana é activada por 2 tipos de impulsos do ID: Sexuais e agressivos. O ID (inconsciente) se confronta com obstáculos e restrições de ordem moral e social provocadas pelo superego. Assim, os impulsos sexuais e o prazer, geram uma energia psíquica (libido) para o comportamento e act. mentais. Se, o impulso não for satisfeito, gera conflitos internos entre: as exigências pulsionais do ID, entre os limites da realidade do EGO e as restrições que o SUPEREGO impõe, para que se atinja a perfeição moral. A partir deste conflito desenvolve-se a Personalidade.

Todos concorrem pela energia psíquica disponível.

 

 

A) TEORIA PSICANALÍTICA DE FREUD ID

 

1) É TOTALMENTE INCONSCIENTE

2) Encontra-se ao nível dos impulsos biológicos + básicos, pulsões e desejos;

3) É dominado pelo prazer com vista à satisfação imediata dos impulsos e não tem valores morais;

4) Não actua segundo princípios lógicos, podendo ter impulsos contraditórios;

5) Os impulsos e experiências estão recalcados e podem continuar nele por tempo ilimitado;

6) Procura satisfazer as suas pulsões, reduzindo a tensão de modo a que se sinta confortável, por meio do PENSAMENTO DE PROCESSO PRIMÁRIO, recorrendo à imagem mental ou objecto desejado a fim de reduzir a tensão. Este processo ilude a satisfação do desejo, em que não se consegue distinguir as imagens mentais da realidade.

7) O ID não tem qq relação directa com o mundo exterior, e para entrar em contacto com ela e agir sobre ela, ele precisa do Ego.

 

B) TEORIA PSICANALÍTICA DE FREUD EGO (é uma parte do ID modificado)

 

1) Surge pr volta dos 6 meses, à medida que as crianças aprendem que existe uma realidade para além das suas próprias necessidades e desejos;

 

2) O EGO actua forma realista em relação ao ID, segundo princípios lógicos , racionais e adequados, actuando 2.º o PRINCÍPIO DA REALIDADE;

3) Tem a tarefa principal de demonstrar a realidade dos objectos reais, ao ID;

4) Os desejos do ID apenas são satisfeitos até ser encontrada uma situação adequada.

5) Usa o PENSAMENTO DE PROCESSO SECUNDÁRIO: cria estratégias realistas para satisfazer os impulsos do ID, agindo como medidor, pois decide quais os instintos que podem, na realidade, ser satisfeitos.

6) O ID tenta portanto consiiar as divergências que existem entre as pulsões do Id e os limites que a realidade impõe.

 

1.1.            TEORIA PSICANALÍTICA DE FREUD SUPER EGO (Tem origem no EGO)

 

1) Para Freud, começa a desenvolver-se p/volta dos 3-5 anos e corresponde à identificação das crianças com os pais, e à interiorização das suas restrições, valores e costumes.

2) O Superego é o representante da moralidade (valores, normas e ideias morais da sociedade), pois diz-nos o que podemos fazer e o que não podemos fazer, mediante a educação que recebemos e experiencia.

3) Tenta atingir sempre a perfeição tendo a tendência de bloquear os instintos.

4) Tem o papel de inibir os impulsos sexuais e agressivos do ID e de persuadir o EGO para este substituir os princípios realistas por princípios Moralistas.

 

 

Relação entre o ID, EGO E SUPEREGO: Segundo Freud:

“O pobre EGO tem de servir a três amos duros (Id, Super-ego e realidade) e tem de fazer o melhor que pode para satisfazer as exigências dos três.”

 

 

 

 

 

 

 Quando é pressionado pelo ID, sabendo do perigo de representar impulsos primitivos, o EGO sente ansiedade, pois se cede ao ID o SUPER-EGO pune-o com sentimentos de culpa ou inferioridade. Trabalha para atender a metas morais, não simplesmente realistas, e forçar o ID a inibir os impulsos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s